A MINHA OPÇÃO É SÓ UMA! EU VACINO OS MEUS FILHOS!

O plano de vacinação é um programa universal, gratuito e acessível a toda a população. No entanto, não é obrigatório, vacinar os filhos é uma opção dos pais. Muitas vezes a opção dos pais que optam por não vacinar os filhos, prende-se a preconceitos e ideias erradas sobre a vacinação.

Será aceitável que os pais decidam colocar em risco a saúde dos filhos? A mim parece-me que não! Se existe prevenção, não há explicação para optar pela doença!

A vacinação traz mais vantagens do que prejuízo. É graças às vacinas, que muitas vidas de crianças foram salvas, e hoje os nossos filhos crescem e vivem felizes sem ter a necessidade de fazer face a doenças incapacitantes, e muitas vezes mortais, ao contrário do que acontecia antes da chegada das vacinas. É graças à vacinação em massa, que hoje em dia, nenhum pai, nem nenhuma mãe, vê uma criança paralisada por poliomielite, a sufocar por causa da difteria ou a morrer por causa de uma tosse convulsa.

São esses os ganhos efetivos para as crianças de hoje, a saúde não tem preço!

As vacinas do plano de vacinação são seguras e eficazes. Antes da sua introdução no mercado, são monitorizadas relativamente à eficácia e ao aparecimento de efeitos indesejáveis raros a longo prazo.

 A vacina é uma substância derivada, ou quimicamente semelhante, a um agente infecioso, causador de doença. Esta substância é reconhecida pelo sistema imunitário da pessoa vacinada  que origina uma resposta que a protege de uma doença. A vacina faz o sistema imunitário reagir como se tivesse realmente sido infetado pelo agente.

As vacinas incluídas no Plano Nacional de Vacinação são fundamentais para a saúde de todas as crianças e permitem combater as seguintes doenças:

  • Difteria
  • Doença invasiva por Haemophilus influenzae b
  • Doença invasiva por Neisseria meningitidis C (meningite C)
  • Doença invasiva por Streptococcus pneumoniae
  • Hepatite B
  • Papeira
  • Papiloma humano
  • Poliomielite
  • Rubéola
  • Sarampo
  • Tétano
  • Tosse convulsa
  • Tuberculose

Existem efeitos secundários comuns das vacinas, que são ligeiros e desaparecem sem ser necessário tratamento. São eles: a febre, dor ou vermelhidão no local da injeção.

Em casos raríssimos podem ocorrer reações secundárias mais graves, que quando ocorrem são no imediato, e os profissionais de saúde estão treinados para as controlar, daí a importância da permanência da criança no serviço de vacinação até 30 minutos após a administração da vacina.

Opte pelo bem do seu filho, vacine-o!

Anúncios