OS “INFECTÁRIOS”

       Não existe uma oferta real para que as mães optem por ficar em casa a cuidar dos filhos pequenos. A perda de  remuneração significativa após os cinco meses de licença de maternidade, torna insustentável para a maior parte das famílias, fazer face às despesas diárias… Muitas mães, provavelmente colocariam a maternidade em primeiro lugar, caso o subsidio fosse mais compensador.

        O regresso ao trabalho é, deste modo, imperativo e  faz-se na maioria dos casos pelos 5 meses de idade da criança. E, quem não a sorte de ter uma avó por perto, o infantário é a opção.

      O infantário é uma boa opção, as crianças são bem cuidadas, aprendem, socializam e crescem com o acompanhamento profissional adequado. Contudo têm um grande senão… depressa passa de infantário a infectário!

    É comum as mães referirem que desde que a criança entrou no infantário está mais vezes doente. Pois é mães, esta é uma verdade irremediável! São várias crianças juntas no mesmo espaço, a partilhar brinquedos, beijinhos, chuchas, inclusive ranhos… não há vírus ou bactéria que não se propague!

        Haverá forma de evitar as infeções?

Por vezes não! Muitas vezes só se apercebe que a criança está doente, ao longo do dia, quando já teve em contacto com as outras crianças.

Outras vezes sim! Deixo algumas recomendações:

  • Coloque, sempre que possível, o seu filho no infantário apenas apartir dos 3 anos, porque nesta idade já adquiriu capacidade de recuperar de uma doença com mais facilidade do que apenas com alguns meses de vida.
  • Se verifica que o seu filho está doente não o deixe na escola… não é bom para o seu filho! Primeiro porque uma criança doente precisa de um ambiente calmo para recuperar… e em segundo não é de certeza simpático para as outras crianças! Vai ser seu o contributo para o infectário!
  • Se o seu filho acordou com má disposição, não é imperativo que seja uma doença, mas avise na escola, para que tomem medidas para conter a infeção, caso seja o início de uma doença.
  • Se o seu filho têm uma doença contagiosa (varicela, escarlatina, …) avise a escola para que os profissionais estejam atentos ao aparecimento dos mesmos sintomas noutras crianças.
  • Se o seu filho tem piolhos, faça o tratamento e mais uma vez, avise a escola, para que os outros pais procedam aos mesmos cuidados que teve com o seu filho. Não é vergonha! Os piolhos não são sinal de falta de higiene. Todas as crianças já tiveram, mesmo daqueles pais que dizem que não! Ao não avisar a escola, arrisca-se a enfrentar semanas de uma praga sem fim, na cabeça do seu filho!
  • Ensine desde cedo o seu filho a ter comportamentos de prevenção de infeção: assoar-se, lavar as mãos com frequência, tossir para o braço…

E, não se preocupe em demasia…

Há doenças que são comuns na infância, que o melhor é mesmo tê-las na infância…!

 

Anúncios